6 de julho de 2010

Matilde Rosa Araújo (1921-2010)

(Imagem do ´Século Ilustrado', nº 485, Abril de 1947daqui)

Os alunos, muitas vezes, julgavam que os escritores tinham todos morrido e quando começámos a aparecer por lá... mostrámos afinal que não éramos o "clube dos poetas mortos"... Desses encontros trago sempre um quinhão de felicidade que os alunos generosamente me entregam na fraternidade do ler, do seu ler. Uma felicidade que me ensina tanto. Assim eu possa continuar a aprender.
.
(Matilde Rosa Araújo em entrevista à 'Página', nº 114, Julho 2002)
  
E assim possamos nós mantê-la "viva" e continuar a aprender com ela. 

11 comentários:

  1. Temos excelentes escritores de literatura para crianças.

    Tivemos um regime obstinado que, apelando á resignação, ora não incentivava a leitura -- Deixando a tarefa para a Gulbenkian -- ora perseguia os autores.

    Neste quadro era impossível uma Enid Blyton.

    Depois do 25 de Abril de 1974, houve imensa distração com a leitura.

    O culto da imagem não favorece o interesse pela leitura.
    Tem sido feito um esforço nesse sentido.

    Alguém sabe quando será editado «UMA AVENTURA NO MINISTÉRIO» de Isabel Alçada?

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Sempre pertinente JPD. Pergunta oportuníssima! Aguardemos para ver. Entretanto, pode ser que as manifestações de pesar da ministra tenham eco na divulgação de MRA nas escolas (sou mesmo optimista, eu sei...). E se não for da sua obra literária, que seja da sua obra cívica no que toca à defesa dos direitos das crianças e da promoção do interesse pela leitura (pois... optimismo outra vez...).
    Um abraço grato :)

    ResponderEliminar
  3. Foi, sem sombra de dúvida, uma das autoras da minha infância. Não só pelos seus livros, mas também pela sua presença nos manuais que me acompanharam na aprendizagem da Língua Portuguesa, felizmente recheados com excertos de textos seus, que deixavam um rasto de "querer mais".
    Alguém que conheço e que privou com ela prestou-lhe a digna e justíssima homenagem: http://ainocenciarecompensada.blogspot.com/2010/07/matilde-rosa-araujo-1921-2010-para-uma.html
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. Também me lembro bem disso, amiga. Da curiosidade sobre o que seguiria após o excerto estrategicamente escolhido para as aulas. Obrigada pela dica do blogue. Já o espreitei!
    Beijinho e continuação de uma óptima (e, de preferência, mais fresquinha) semana!

    ResponderEliminar
  5. conhecia o seu nome mas não sabia quem era nem conhecia a obra, agora talvez preste mais atenção. boa continuação de semana.

    ResponderEliminar
  6. Um escritor que vem à escola falar com as crianças e jovens, é toda uma obra a ganhar outra vida junto deles, e ela soube-o.
    ~CC~

    ResponderEliminar
  7. "Eu continuo a aprender". É uma máxima para toda a vida.

    O texto que arranjou é interessante.
    No entanto, devo dizer que "o clube dos poetas mortos" foi um excelente filme que reclama o espírito crítico, a não aceitação, o conhecimento interrogado e vivo, apesar de se debruçar sobre poetas mortos.
    Obrigada por me fazer pensar.

    ResponderEliminar
  8. Obrigada a todas. De facto MRA primou pelo contacto com os seus jovens leitores e, por isso, a sua presença permanecerá bem viva na memória de muitos deles. Julgo também que a dimensão da sua obra e contributo inclui-la-ão sempre no "clube dos poetas vivos". Destacaria, por fim, um aspecto central da sua vida, habitualmente menos referido, e que foi a dedicação aos direitos da criança. Ela foi, aliás, co-fundadora da Unicef em Portugal e esse é um aspecto digno de memória também.
    Abraço triplo (para a via, CCF e Ana) :)

    ResponderEliminar
  9. Cada poema ou conto de Matilde, será sempre um momento de aprendizagem do que é belo e luminoso! ..e não creio que fosse de outra forma que ela quereria permanecer entre nós..

    :)

    Beijitos ao som d'O cantar da Tila.

    ResponderEliminar
  10. Sempre. E que bela escolha! Uma "sonoridade" ímpar, maravilhosamente ilustrada por Maria Keil. E, para os mais distraídos, vale a pena lembrar que "Tila" é o diminutivo (infante) de "Matilde".
    Muito obrigada, Mia. Sempre tão estimulante :)

    ResponderEliminar